Destaques, Geral

Saiba quem paga(rá) pelas manifestações pró-governo

/ /

Tivemos informações de que hoje pela manhã os líderes do Movimento dos Sem Terra, José Stédile, e do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, estiveram reunidos a portas fechadas dentro do palácio do Planalto, tendo como álibi o lançamento do programa Minha Casa Minha Vida 3. O motivo seria o planejamento da resistência contra o impeachment de Dilma e a possível prisão do ex-presidente Lula. A convocação aos movimentos seria a partir de amanhã, dia 31/03 e iria até a votação do impedimento da presidente.

Eu acho incrível mesmo que após quase 14 anos de governo Lulopetista ainda existam sem terra e que estes ainda apoiem o PT. Foram 14 anos podendo fazer a reforma agrária tão prometida, mas que em números não saiu do papel. Em compensação ONGs ligadas ao MST de Stédile receberam, só no governo Lula, mais de R$ 152 milhões de reais. E tem mais, quem “manda” no Ministério da Defesa é a Secretária Maria Cella, mulher do Chicão, subcomandante do MST, a mesma que Dilma escalou como ministra interina na Casa Civil, no lugar de Lula.

Já Boulos (MTST), após duras críticas ao Minha Casa Minha Vida em 2014 e 2015, onde ameaçou romper com o governo, conseguiu liberar mais de R$ 89 milhões de reais junto ao Ministério das Cidades, engrossando a adesão ao movimento e ajudando a direcionar os recursos para simpatizantes do partido, competindo por moradia com os outros movimentos que não são ligados ao PT.

De abril de 2008 a abril de 2015, o governo federal repassou R$ 1 bilhão para centrais, sindicatos e confederações de empresários e trabalhadores no Brasil.  Em um período de de 7 anos, seis centrais (cinco entre 2012 e 2014) receberam, ao todo, um bilhão de reais do governo federal. Nenhum centavo desse volume foi fiscalizado pelo Tribunal de Contas da União (TCU), pois em abril de 2008 o ex-presidente Lula vetou o artigo da Lei 11.648, que previa a fiscalização dos recursos pelo TCU. A CUT sozinha já abocanhou mais de R$ 340 milhões desde 2008, só da Petrobrás teriam vindo R$ 26 milhões de reais.

Estes movimentos, pagos com verbas públicas, são os sustentáculos que sobraram para o atual governo.

Há sete dias atrás Boulos fez uma ameaça terrorista ao País, pregando o ódio e incentivando a violência. Vejam o que ele afirmou:

“Não haverá um dia de paz do Brasil. Podem querer derrubar o governo, podem prender arbitrariamente o Lula ou quem quer que seja, podem querer criminalizar os movimentos populares, mas achar que vão fazer isso e depois vai reinar o silêncio e a paz de cemitério é uma ilusão de quem não conhece a história de movimento popular neste país. Não será assim. Há setores do mercado que acham que vão tirar Dilma e vão fazer as “reformas estruturais” que se precisa para a sociedade brasileira. O escambau. Este país vai ser incendiado por greves, por ocupações, mobilizações, travamentos. Se forem até as últimas consequências nisso não vai haver um dia de paz no Brasil’, completou, em entrevista coletiva junto aos coordenadores da Frente Povo Sem Medo.

Pergunto aos meus leitores, este homem reclama da criminalização dos movimentos mas….o que ele mesmo está fazendo? Não é crime fomentar o ódio, disseminar o medo e incentivar a violência? Se a lei antiterrorismo brasileira não tivesse sido destruída, para favorecer bandidos sob bandeiras políticas, ele poderia ser penalizado legalmente por estas afirmações.

Estão circulando no facebook e no whatsapp informações sobre ofícios que estariam circulando com a convocação paga de militantes que receberiam de R$ 100,00 a R$ 300,00 reais para se deslocarem para Brasília e lá ficarem até a votação do impeachment. A meta seria 100 mil pessoas durante aproximadamente 15 dias. Se cada um destes for a um custo médio de R$ 150,00 e custar R$ 30 reais por dia, durante 15 dias, isto daria R$ 15.000.000,00 (quinze milhões para deslocamento) mais R$ 45.000.000,00 (quarenta e cinco milhões em comida), totalizando, por baixo, R$ 60 milhões de reais (sessenta milhões).  Me pergunto, de onde sai tanto dinheiro??? Ora, é só ler os dados acima que teremos a resposta.

Um governo moribundo que não consegue por gente na rua de forma legítima, só consegue na base do pagamento ou do toma-lá-da-cá. Líderes de movimentos que vivem as custas do governo, com recursos oriundos da Caixa Econômica Federal, Petrobrás e BNDES. É o último suspiro do Lulopetismo, que não diferencia o público do privado, e que se apropria do estado em causa própria, para favorecer os seus, se perpetuar no poder e enriquecer.

Vejo esta “resistência” contratada que estaria sendo planejada como mais uma provocação deste governo que torce pela explosão do conflito físico em Brasília, para arranjar justificativas para o que eles chamariam de “contra-golpe”. O negocio é desnudarmos isto antes de acontecer. E vamos sempre questionar: quem paga a conta destas mobilizações que estariam sendo orquestradas? A quem interessa isto? Quem estes grupos realmente representam?

Saiba mais sobre os recursos que irrigam o MTST e o MST:

http://noticias.terra.com.br/brasil/ongs-ligadas-ao-mst-lideram-arrecadacao-de-verba-federal,b62a3e232cb4b310VgnCLD200000bbcceb0aRCRD.html

http://www.gazetadopovo.com.br/vida-publica/minha-casa-minha-vida-financia-luta-socialista-do-movimento-sem-teto-7909p3b5d817udr4pxrrl8j1x

http://extra.globo.com/noticias/brasil/mtst-recebeu-89-milhoes-do-minha-casa-minha-vida-11271217.html

http://economia.estadao.com.br/blogs/joao-villaverde/caixa-preta-dos-repasses-federais/